Varejo: propósitos para uma gestão transformadora

Gostaria de compartilhar com parceiros de trabalho, amigos e seguidores, um resumo dos propósitos que norteiam minha gestão como presidente do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), para a qual fui eleito em 25 de abril passado.

São estes os pilares de nosso projeto de gestão, em sintonia com as políticas liberais que visam a fortalecer o setor e revigorar a economia de nosso país.

  1. Acima de tudo, vamos defender a livre iniciativa.
  2. Seremos intransigentes ao lutar pela eliminação da informalidade em todas as suas manifestações.
  3. Buscaremos a necessária equidade competitiva no mercado.
  4. Para superar os obstáculos operativos, manteremos foco no aumento da eficiência e da produtividade.
  5. Por meio de ações permanentes, buscaremos constituir meios de reduzir a interferência do Estado na economia.
  6. Como filosofia, vamos nos pautar por atividades que facilitem a abertura econômica, fundamental ao desenvolvimento e expansão dos negócios.

De modo mais específico, miramos em simplificação, procurando unificar as obrigações fiscais e acessórias. Outra meta é estabelecer a padronização dos modelos de notas fiscais dos Estados e municípios. Neste campo, também buscamos a desburocratização dos processos de abertura e fechamento de empresas.

No âmbito do Sistema Tributário, pretendemos ser protagonistas na Reforma Tributária, propondo a redução da multiplicidade dos regimes vigentes nos âmbitos federal, estadual e municipal. Estamos constituindo um comitê específico das empresas filiadas ao IDV para colaborar com aqueles que formulam a reforma.

No que se refere ao Sistema Financeiro, já estamos trabalhando pela regulação dos processos nos novos meios eletrônicos de pagamento, desde a aquisição do produto até a entrega ao consumidor final.

É fundamental que se tenha um mecanismo confiável para se seguir o fluxo do dinheiro e constituir tributação adequada das operações mercantis de ponta a ponta. Já estamos empenhados também na regulação dos sistemas de cartões de crédito e débito, contemplando ainda a questão das taxas de MDR.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 5 =